O que é Storytelling e por que ele é tão importante?

Um termo muito utilizado por profissionais de Marketing Digital ultimamente, mas que ainda não é tão conhecida por todos é o Storytelling. Trata-se da técnica de envolver o leitor por meio de uma história para atrair a atenção, ou seja, não basta vender o produto, é preciso criar personagens e ter uma trama para que eles façam sentido e o convençam de realizar a compra. 

Existem diferentes elementos para que um texto seja escrito dessa maneira, entre os mais importantes estão:

  • Personagens – não necessariamente pessoas, podem ser animais ou objetos, mas eles precisam ter vida própria e personalidade; 
  • Enredo – é necessário uma ambientação para a história;
  • Contexto – aqui é muito importante informar e situar o leitor em que ano, década ou cenário aquela história está sendo contada; 
  • Diálogo – mesmo que seja um monólogo, ou falas implícitas, trazer diálogos para a narrativa a torna muito mais verossímil. 

A tão famosa Jornada do Herói 

Esse elemento é fundamental para construir toda a sua história, pois a partir da Jornada do Herói que você estabelecerá um começo, meio, clímax e fim; não necessariamente nesta ordem.

Também conhecida como monomito, essa estrutura foi criada em 1949  pelo antropólogo Joseph Campbell e corresponde a estrutura de storytelling mais utilizada em mitos, lendas, romances e obras narrativas. Trata-se de uma fórmula cíclica de contar histórias, na qual o protagonista supera vários desafios para se tornar um herói.

Ele categorizou todas as etapas do protagonista dentro da narrativa e publicou no livro O Herói de Mil Faces (Cultrix/Pensamento, 2004), publicado originalmente em 1949.

Ele explica sua teoria a partir dos arquétipos de Jung e forças inconscientes de Freud, que resultam nos modelos psicológicos comuns a todos os enredos épicos.

Assim, surgiu a estrutura original da jornada do herói, que se divide em 3 fases principais:

  • 1) PARTIDA/SEPARAÇÃO 
  • Mundo cotidiano: o herói começa a jornada em seu mundo comum;
  • Chamado à aventura: ele recebe um chamado para se aventurar pelo desconhecido;
  • Recusa do chamado: inicialmente, ele recusa o chamado por insegurança ou obrigações que o mantém preso ao seu mundo;
  • Encontro com o mentor: ao se comprometer com a missão, o herói se encontra com um mentor ou recebe ajuda sobrenatural;
  • Travessia do primeiro limiar: marca o momento em que o herói cruza uma fronteira para entrar de fato em um novo universo
  • Barriga da baleia: é a metáfora que representa a separação final entre o herói e seu mundo original
  • 2) DESCIDA/INICIAÇÃO 
  • Estrada de provas: é uma série de testes e provações que o herói enfrenta para se transformar;
  • Encontro com a deusa: é quando o herói ganha itens que vão ajudá-lo no futuro, geralmente de uma criatura mítica (representada, nesse caso, pela deusa);
  • A mulher como tentação: simboliza o momento em que o herói quase cai em tentação, atraído por algo prazeroso que tenta desviá-lo da missão;
  • Sintonia com o pai: é o momento em que o herói confronta o elemento ou ser que exerce maior poder sobre sua vida, representado pela figura paterna;
  • Apoteose: é o ponto de realização, em que um novo patamar de compreensão é atingido;
  • A grande conquista: representa o cumprimento do objetivo final da missão.
  • RETORNO
    • Recusa do retorno: depois da experiência da jornada, o herói vivencia um momento de resistência a retornar ao seu mundo ordinário;
    • Voo mágico: representa o voo de volta para o mundo comum;
    • Resgate interior: é quando o herói recebe apoio para voltar à sua vida normal depois da jornada;
    • Travessia do limiar de retorno: representa a capacidade de reter a sabedoria adquirida na viagem e, possivelmente, passá-la adiante;
    • Senhor de dois mundos: é o momento de encontrar o equilíbrio entre os dois mundos, geralmente representado pelo mundo material e espiritual;
    • Liberdade para viver: todo o aprendizado da jornada leva o herói a perder o medo da morte e viver em plena liberdade, concentrando-se no momento presente.

Parece muita coisa não é mesmo? Mas a verdade é que você não precisa seguir todos esses passos como uma receita de bolo para criar o storytelling do seu produto. Tudo irá depender do seu objetivo em contar aquela história e do tempo e formato que você tem para contá-la. 

  • Profissionais de Marketing de Conteúdo interpretam de forma errada

Infelizmente, os criadores de conteúdos e copywriters muitas vezes associam o storytelling como uma prática oposta à publicidade, na qual não se deve mostrar o produto ou interromper os compradores com anúncios. 

Porém, na história da publicidade temos muito storytelling inserido mostrando o  produto e isso tem um tremendo impacto na presença da marca e em vendas. Por exemplo, as histórias contadas por meio de comerciais de TV são inesquecíveis e ajudam as marcas a vender seu produto e fazer com que as pessoas lembrem da empresa. 

Então, cuidado com teorias e textos prontos, tudo vai depender de uma boa estratégia para que a sua ação dê certo! 

Dica de Leitura: Storytelling: aprenda a contar histórias com Steve Jobs, Papa Francisco, Churchill e outras lendas da liderança – Carmine Gallo.

Após a leitura desse livro você aprenderá a usar o storytelling para: – acender a chama interna das pessoas;- simplificar as coisas;- educar;- motivar as pessoas;- mobilizar. E ainda, a autora mostra exemplos concretos de várias histórias.

Lembre-se que leitura e escrita caminham juntas, então para ser um bom contador de histórias, consequentemente, escritor de storytelling é muito importante ter o hábito de leitura diariamente. 

Ficou com alguma dúvida sobre criação de conteúdo e como usamos o storytelling em nossas campanhas? Envie-nos uma mensagem! 

people-in-a-business-meeting-in-the-office-RSUN3TD

Por que eu devo contratar uma agência de publicidade?

Nós sabemos que somente estar na internet já não é mais o suficiente, não adianta estar nas redes sociais e ter um site. O ambiente digital se transforma mais e mais a cada dia e aí os gestores se deparam com a seguinte questão: montar uma equipe interna, contratar um freelancer ou terceirizar?

A Agência de Publicidade terá um time especialista nas mais diversas áreas do conhecimento como redação, designer, programação de sites e aplicativos, publicidade, relações-públicas, comercial, processos administrativos, entre outras habilidades. É óbvio que isso custará mais caro para a sua empresa, porém o resultado obtido é indiscutivelmente maior caso você optar por um só profissional. Por mais que a pessoa seja multitarefas e pró-ativa, dificilmente suprirá todas as suas necessidades. 

Para te ajudar ainda mais nessa tarefa de escolha, vamos falar de algumas ações realizadas por nós e que fazem total diferença no seu negócio:

  • Planejamento estratégico

Essa etapa é fundamental para inciar qualquer trabalho. Antes de colocar a mão na massa é muito importante que o time de planejamento entre em campo para realizar o diagnóstico, pesquisa e traçar os objetivos de marketing. 

Preste atenção em profissionais ou outras agências que já iniciam o trabalho sem antes alinhar as diretrizes e estabelecer uma linha de comunicação. Se você não sabe o que quer, não tem como saber se deu certo a estratégia, não é mesmo? Então, valorize bastante o planejamento! 

  • Experiência e qualificação 

Ao contratar a DG5 você vai contar com especialistas nas suas áreas para criar e definir as melhores estratégias com base em muita pesquisa e conhecimento. Você colocará o seu negócio nas mãos de uma empresa inteiramente dedicada a esse trabalho.

Isso é muito importante para o sucesso da sua empresa, pois cada profissional dentro da agência tem a sua função e irá contribuir para o todo. Afinal, um trabalho de marketing não se constrói sozinho, são muitas mãos envolvidas em um mesmo projeto. 

A qualidade do trabalho também ocorre em função dos profissionais da agência prestarem serviços a outras empresas. Isso permite que eles tenham uma visão abrangente do mercado, façam descobertas relevantes e apresentem melhores alternativas para o seu negócio.

  • Custo-benefício

A maioria das agências trabalha com horas, ou seja, você definirá uma quantidade de horas que serão trabalhadas e pagará por isso. Além de ser uma ótima forma de trabalho, você consegue centralizar e deixar que a agência cuide de tudo relacionado à comunicação, desde a impressão de materiais até a publicação de conteúdos em redes sociais.

Outro ponto importante de ressaltar é que estruturar um departamento de Marketing Digital, por exemplo, que é um dos núcleos de uma agência, é algo complexo e, muitas vezes, inviável para alguns negócios, visto que é um trabalho que depende de muitos profissionais e recursos.

Lembre-se também de separar uma verba para os anúncios, somente ter o auxílio dos profissionais da agência não fará milagre. Então, não vai ser um  bom texto, uma boa imagem que fará você vender, investimento também é essencial.

  • Monitoramento dos resultados 

Como dissemos na etapa do planejamento, você precisa ter um objetivo para o seu negócio e monitorá-los é fundamental para saber o que deu certo e o que precisa ser melhorado.

Mesmo que você ame números e gráficos, uma agência de publicidade tem profissionais qualificados para realizar a tarefa de coleta e interpretação dos dados, trazendo mensalmente ou semestralmente, os resultados. 

Outro fato que também deve ser colocado nessa conta é o acesso aos softwares e programas para ajudar no trabalho dos profissionais ,como os que agendam publicações, enviam e-mails, entre outras facilidades. Na maioria das vezes esses programas tem valores mais acessíveis para vários clientes, se tornando inviável para um pequeno ou médio negócio contratar por conta. 

Ainda ficou com alguma dúvida sobre o nosso trabalho ou quer conhecer mais sobre a DG5? Acesse as nossas redes sociais para ficar por dentro de tudo que acontece:

Instagram

Linkedin

Facebook