comunicacao-experiencias-deliciosas

Fazer comunicação é sobre provocar experiências deliciosas.

Noite passada, após notar o vazio na geladeira (e no estômago), apelei ao melhor amigo de quem mora sozinho, os aplicativos de delivery para garantir a janta. Após um tempo perdido (ou investido, dependendo do contexto) vasculhando a lista de restaurantes disponíveis, optei por um combo de carne + batatas rústicas + salada de uma hamburgueria da cidade que gosto muito.

Confesso que estava com fome e, para minha surpresa, o pedido chegou mais rápido do que eu esperava. 🏍

Estava chovendo e o telemoto (os heróis da pandemia) me entregou os pedidos dentro de uma grande sacola plástica, para evitar que a encomenda molhasse. Dentro desta, estava uma sacola de papel kraft com a logo e contatos da empresa, devidamente personalizada; fechadinha com grampos junto a nota fiscal do pedido.

Vale destacar que a sacola estava suuuper quente! 🔥

Ao abrir a sacola, me deparei com um aroma inebriante da carne e das batatas, mas também fiquei um bom tempo contemplando as embalagens . Cada produto veio dentro de uma caixinha diferente, estampadas com a “vibe”, ou melhor, com o posicionamento da hamburgueria, carregando essa pegada mais “rock n´roll”. 🤘

👉(Se eu fosse uma personagem de Acumuladores, certamente iria guardá-las).

👉(Devia ter jantado ao som de Pearl Jam ou algo assim.)

👉(Alô, hamburgueria X, faça um playlist colaborativa no Spotify!)

Não preciso nem dizer o quão saborosa estava a refeição, né? 😜

Mas Giovana, aonde você quer chegar com tudo isso? 🤔

Quero falar sobre a experiência do consumidor. 🖤🖤🖤🖤

Percebam que o investido na refeição não se trata apenas de dinheiro, se trata de valor. E isso vai muito além da satisfação de um produto ou serviço contratado, estamos falando de algo que você olhe e fale “UAU, isso realmente é muito bacana.” 😍

Apreciar uma comida saborosa fora de casa (ou delivery) é fundamental, pois ninguém gosta de gastar dinheiro em algo que não estava tão bom assim, não é mesmo? 🤭

Provocar experiências positivas para os clientes está nos detalhes. Se você é uma empresa que está começando, não precisa fazer grandes investimentos para conquistar seus clientes. Comece com um recadinho personalizado na embalagem, por exemplo. 😉

O desafio é: não deixe que uma refeição seja apenas uma refeição. ❤️🍴 

www.freepix4all.com

Sobre ambientes de trabalho positivos e produtividade.

Cheguei ao trabalho no turno da tarde com aquela vontade de comer um doce. 🍭Para minha tristeza (ou felicidade do meu bolso), nos entornos do escritório (se alguém souber, por favor me avise!) não há nenhum “bolicho” ou padaria nos entornos para matar a vontade. 

Mas dizem por aí: “quem não chora, não mama”, não é? 

“Alguém tem um doce?” 

Prontamente, meu colega me ofereceu um tablete de chocolate da Cacau Show (vejam bem, não era qualquer chocolate!) que vim a dividir com outra colega depois. 

Mas eu não vim falar sobre chocolates. Vim falar sobre ambientes de trabalho saudáveis. 

Uma boa liderança é fundamental para que uma equipe de trabalho esteja alinhada a propósitos e ideais. 🎯 E o mais legal é quando a diversidade reina os escritórios, criando um elo entre pessoas completamente diferentes…e quando se trata do ramo da comunicação, indispensável! Já pensou em fazer um brainstorming com gente que pensa igual? 

Para a minha sorte, sempre tive bons relacionamentos com colegas, desde que entrei no mercado de trabalho, lá em 2013. Hoje, há mais de ano trabalhando com o pessoal do HUB, tenho a certeza da competência e integridade da equipe que nosso líder formou. 🍀

Mas veja, isso é reflexo de diversos aspectos que vem “lá de cima”: feedbacks (sejam eles positivos ou negativos), gentilezas, incentivos e puxões de orelha na hora certa. Reservar um tempo para reunir os colegas (nem que seja um lanche no meio da tarde) também é crucial para que as pessoas se conheçam e os laços se estreitem. 

O resultado disso tudo é um ambiente de trabalho mais leve, divertido, colaborativo e produtivo. 🖤💛

(e com gentilezas em forma de chocolates!)

Como colaborador, como se sente no seu ambiente de trabalho? 

E como empreendedor…tem provido um ambiente agradável e saudável para seus funcionários? 

 

800-x-600-3

Vida de Inseto: Uma história sobre liderança, criatividade e resiliência.

“SUJOU, A JOANINHA É HOMEM!”

Quem lembra desta frase célebre do filme Vida de Inseto (1998), clássico das coleções de fitas VHS das crianças dos anos 90? Este foi o segundo longa produzido pela Pixar, depois de Toy Story e, aparentemente, nunca foi somente um filme sobre a tradicional batalha entre o bem (formigas) e o mal (gafanhotos).

Antes de você continuar lendo esse artigo, sugiro, caso ainda não tenha visto o filme, assista. Caso tenha assistido quando era criança, é hora de assisti-lo novamente!

O filme conta a história de uma colônia de formigas que, anualmente, precisa entregar parte de sua colheita para os gafanhotos, sob grandes ameaças. Flick, uma formiga (é um “formigo”, mas não encontrei o substantivo masculino para formiga) muito criativa, atrapalhada e considerada uma inventora nata, cria uma geringonça para acelerar o processo da colheita.

O PROBLEMA:

Mas parece que as coisas não deram muito certo com a geringonça e boa parte da colheita foi perdida.

E AGORA?

Flick entende e admite todo o alvoroço causado por causa da sua invenção. Diante a situação, toma frente e decide colocar um novo plano em ação: ir em busca de insetos guerreiros para enfrentar os temíveis gafanhotos.

RESILIÊNCIA FOI A PALAVRA-CHAVE. 

Flick tinha tudo para desistir. Já imaginou o tamanho do problema? Formigas famintas, gafanhotos furiosos e sedentos por uma briga.

E assim começa a jornada do herói!

O personagem inicia uma busca pelos guerreiros perfeitos.

Ele até encontrou.

Mas mal sabia quem eram insetos artistas de circo (mas quem disse que artistas de circo não podem se tornar guerreiros indomáveis? )!

Até a colônia descobrir da farsa, é possível observar questões bem relevantes sobre o papel do líder (representado por Flick), bem como o famoso chavão “A união faz a força”. Todas as formigas e os “guerreiros” trabalharam arduamente para colocar o plano em ação.

Outro aspecto importante foi que o líder, Flick, soube identificar em cada inseto sua principal habilidade e adaptá-la ao plano.

Para dias pacatos no formigueiro, até que saíram bastante da zona de conforto, não é?

AS LIÇÕES QUE FICAM:

Vida de Inseto traz inúmeras lições para crianças e adultos (e também pessoas físicas e jurídicas!).

1 – O papel do líder e como isso influencia no dia a dia dos liderados

2 – Resiliência é fundamental para qualquer problema na vida, nas empresas e na carreira profissional

3- Sair da zona de conforto é inevitável para fugir dos problemas e encontrar soluções

5 – Por mais atrapalhado que você seja, foque! Toda ajuda é bem-vinda!

6 – Saiba reconhecer suas falhas e busque soluções a curto e longo prazo.

Por que no fim, todos queremos sair do casulo e nos transformarmos em uma linda borboleta, né?

44061368-d70c-45b4-805a-9dba7877a870

Queremos ser Peggy Olson

Minha experiência como redatora publicitária começou em 2012, na agência experimental da faculdade (Universidade Franciscana). Confesso que meu trabalho era péssimo, eu não fazia a menor ideia do que eu estava fazendo (jingle era meu pior pesadelo e até hoje me assombra).

Ao mesmo tempo, sonhava em ser a versão feminina do Eugênio Mohallem ou a próxima Melissa Pottker santa-mariense.

Mas a vida do publicitário não é um episódio de Mad Men coberto de glamour, confetes e doses de uísque.

Exige prática. Resiliência. Paciência. Pesquisa. O negócio é baixar a cabeça e rabiscar até o resultado esperado (sugiro sempre começar pela boa e velha folha de papel rascunho).

Por mais que as aulas e o estágio tenham sido fundamentais, só (LÁ VEM UM CLICHÊ, PORÉM MAIS REAL IMPOSSÍVEL) o mercado de trabalho ensina.

E eu tive sorte/oportunidade de aprender com muita gente.

Pode até parecer pouco tempo, mas de 2013 a 2021 passaram cerca de 84 anos (!). O Orkut morreu, Star Wars foi comprado pela Disney, trocamos os táxis e ônibus pelo Uber, o Macondo fechou as portas e estamos vivendo uma pandemia mundial.

Isso tudo (e mais) impactou na forma de fazer Redação Publicitária.

Se um dia fazíamos apenas jingles, outdoors e flyers, hoje escrevemos para a web. Adaptamos nossos textos para o Marketing de Conteúdo, escrevemos para sites e estamos aprendendo Copy (claro que o offline não morreu nem morrerá tão cedo!).

Em meio a tantas transformações na sociedade e no modo de fazer propaganda, o redator precisou se adaptar. Deixar os velhos hábitos para trás (vai dizer que não somos cheios de vícios de linguagem?) e entender como é (e está sendo) esta nova forma de escrever e se comunicar.

O fato é que, mesmo diante a tantas fórmulas prontas, gatilhos mentais e “coisarada”, o redator jamais pode esquecer de escrever com o coração, sem deixar de lado os argumentos racionais e vendáveis (já dizia NX Zero: “Entre razões e emoções a saída é fazer valer a pena”).

É ótimo ter boas referências de pessoas da comunicação que compartilham conteúdo sobre redação e Copy (só fique de olho nos empreendedores de palco). Mas não esqueça a sua origem e como tudo começou. Não se prenda a um formato único, CRIE o seu (ou seus). Crie, teste, otimize e saia do lugar comum! Não se apegue à fórmulas mágicas. Faça a sua própria mágica!

Como diria um tweet que li esses tempos: “A única certeza da vida é que um dia morreremos e que o Uber será um Sandero”.

Viver intensamente (e algumas doses de café adoçadas com paciência) é a melhor ferramenta para o sucesso de um Redator Publicitário.

❤️
inverno-capa

GOT x Comunicação x Design Thinking: o que tem a ver?

*Se você não viu GOT (e pretende assistir), sugerimos que pare de ler aqui!*

O final da série Game Of Thrones dividiu opiniões entre seus fãs. Mas não é este o ponto, a questão é que a narrativa traz discussões bastante interessantes em diversos aspectos, principalmente na Comunicação. 🐉

A história da série permeia objetivos de crescimento, planejamentos e disputas com concorrentes ao tão desejado Trono de Ferro. Também fala a respeito de gestão de conflitos e estratégias – mesmo passando em tempos remotos, as narrativas se tornam bastante atuais. 

Em questão de Design Thinking (e também em comunicação e publicidade em geral), é preciso EMPATIA, colocar-se no lugar do outro (seja cliente, público-alvo, sócios e colegas) a fim de obter um negócio e resultados de sucesso. Comunicação se faz com pessoas e PARA pessoas. Um exemplo disso é a personagem Daenerys Targaryen, a qual cria um laço forte de empatia com o povo do seu esposo, Khal Drogo, ganhando, assim, lealdade e confiança entre eles. 

A grande questão é: internalizar os sentimentos dos outros faz com que possamos entender com clareza na hora de comunicar.

Escolha suas batalhas: em certas partes da série, podemos observar a união dos reinos por um bem comum: a conquista do Trono de Ferro. E em comunicação, como fica? Escolha quais ferramentas usar para alcançar os objetivos. Atue como um líder e, diferente de GOT, nada de trapaças! 

Criatividade e soluções: já parou para contar quantas vezes Tyrion Lannister quase “bateu as botas” em diversos episódios? Independente da situação (esperamos que sejam mais leves do que as que Tyrion estava envolvido), ele sempre acha uma maneira de desviar do perigo. Ou seja, por mais que planejamentos e ideias estejam no papel, nem sempre o que está no papel sai como esperado. 

E você que é da área, já assistiu a série? 

capaVT

Vídeo como estratégia de Marketing de Conteúdo

Conta pra gente…como você tem divulgado a sua marca? Tem investido nas mídias online, em Marketing de Conteúdo? São muitas perguntas, né? Vamos com calma. Hoje, é imprescindível estar presente em Instagram, Facebook e Linkedin (como assim você não está em todas estas plataformas?), criando conteúdo real e relevante para o público-alvo. 

Suas páginas não servem apenas para divulgar o horário de funcionamento da empresa e coisas do tipo. Sua página tem o potencial de ser uma grande referência em comunicação e marketing, tornando o seu conteúdo autoridade no mercado em que atua. 

Tá, mas… e “comofas”? Tudo começa pelo briefing junto a uma Agência de Marketing. Um briefing bem desenhado é capaz de transformar as suas “dores” e anseios em estratégias de marketing e em um branding bem construído e alinhado ao posicionamento da empresa. 

Mas hoje o negócio vai muito além de postagens na timeline. Estamos na era dos vídeos por trazer mensagem de fácil assimilação através de conteúdo interativo. Muitas pessoas se sentem mais atraídas por vídeos, traz mais engajamento e claro, sai na frente da concorrência. 

Sejam vídeos institucionais, promocionais ou de conteúdo, o importante é trazer um material rico, dinâmico e bem produzido. Seja para informar, contar uma história, motivar ou apresentar algum produto ou serviço. 

Seja relevante, faça Publicidade e Propaganda de verdade, não seja apenas mais um no mercado e conte com a DG5 para isso. 

Venha tomar um café com a gente e conversar! ?

? Rua Olavo Bilac, 379 – Santa Maria.
☎ (55) 3222.6217 ou mande um Whats: bit.ly/contatoDG5